ENERGIA E SAÚDE

.

NOS CONHECENDO MELHOR

Controle_mental_GB7Energia_2As pessoas estão doentes. Todas estão em processo acelerado de adoecimento e vamos saber o por que nesse artigo, aprendendo “como funcionamos” sob o paradigma correto, o que também nos explicará por que a medicina ortodoxa encontra a cada dia mais dificuldades de cuidar de forma eficiente da saúde humana (o percentual das doenças mais graves encontradas na população só aumenta ano a ano). 

Saúde e energia estão diretamente vinculados. Não há como cuidar de saúde sem falarmos de energia eletromagnética.

O modo de vida nas cidades coloca a humanidade interagindo de sobremaneira com o ambiente eletromagnético criado, ambiente que vai interferir diretamente no que estamos comendo, bebendo e respirando. Tudo o que fazemos ao longo das horas que vivemos é inserir tipos de energias muitas vezes nocivas em nossas áreas mais sensíveis. Vivemos numa espécie de caos energético ambiental, dentro e próximo ao corpo.

.

Einstein_1_DB7EnergiaAlbert Einstein, físico e cientista que ficou famoso na primeira metade do século passado por desenvolver a “teoria da relatividade”, e com ela propiciar tecnologias que ajudaram a conhecer e controlar o fenômeno energia elétrica, já dizia lá atrás…..

.

“Tudo é ENERGIA e isso é tudo o que há. Sintonize a frequência que você deseja e, inevitavelmente, essa é a realidade que você terá. Não tem como ser diferente. Isso não é FILOSOFIA. É FÍSICA.”

.

Mesmo que a grande questão da nossa existência esteja relacionada justamente com nossa capacidade de “sintonizar” (e isso diferencia um ser humano verdadeiramente sábio dos demais), Einstein sabia o que estava dizendo: somos mesmo feitos de pura energia e energia codificada.

Mas existem problemas, e os problemas estão aumentando. O homem começou a manipular energias e de repente tudo mudou muito rápido.

Conforto e facilidades surgiram e transformaram positivamente a árdua jornada que a humanidade se via obrigada a passar com suas necessidades diárias, como o comer, beber, dormir em segurança, se proteger das intempéries do tempo e dos defeitos mais cruéis dos seres humanos, e tudo isso nos foi enormemente facilitado. Mas com as facilidades vieram as maiores solicitações emocionais.

Maior conforto/facilidades, mais trabalho, mais obrigações, menos tempo para o “simples”, mais desgaste emocional, e daí um maior desequilíbrio eletromagnético da população. Esse desequilíbrio provocado pelas solicitações que a “vida moderna” faz sobre o físico e o emocional, acaba tornando todo o ambiente em volta das pessoas perigoso, transformando o que deveria ser algo para o seu bem estar e conforto, em potenciais agentes nocivos causadores de doenças e distúrbios.

Soma-se a esses ataques do que chamamos de “tecnologia”, com seus campos eletromagnéticos, às energias intrusas trazidas pelas vibrações de parasitas, vírus, bactérias, metais e produtos químicos tóxicos que adentram nosso corpo, e está formado o verdadeiro caos em nosso entorno.

E é esse caos energético o que causa o crescimento exponencial de doenças degenerativas à nossa volta, seja por provocar distorções de nossos campos magnéticos, seja pelo ocorrência de um fenômeno eletromagnético chamado “RESSONÂNCIA”.

Ondas incidentes do ambiente e mesmo de objetos e seres vivos que possam estar no nosso corpo ou mesmo longe dele, podem adentrar uma área da nossa existência e lá acabar provocando ressonâncias eletromagnéticas fazendo gerar um aumento de energia perigoso.

Com essa condição não prevista, acontecem alterações nos códigos frequenciais que controlam nossa forma de viver. Toda doença no corpo físico ou emocional provém de ruídos frequenciais e seus efeitos ressonantes, ocorridos em área existencial de alta vibração do ser humano. 

Nesse artigo vamos conhecer uma importante e irrefutável teoria do como funcionamos e como adoecemos, aprendendo conceitos sobre energia eletromagnética.

.

ENERGIA ELETROMAGNÉTICA = CAMPO MAGNÉTICO E CORRENTE ELÉTRICA OU “VIBRAÇÃO”

Duas são as componentes do fenômeno energia elétrica que a academia nos ensina: campo magnético e vibração ou corrente elétrica, “circulando” dentro e em função do campo magnético entre os polos norte e sul magnéticos do ambiente. A figura a seguir ilustra esse conceito.

EE_campo_vibração

.

Vemos os dois polos, N de “norte” e S de “Sul” que representam a polarização necessária para ocorrer o fenômeno. Dentro do “ambiente” propiciado pela energia magnética, ocorre o conceito de “corrente elétrica” que a academia convencionou com suas equações e modo de fazer acontecer o acender das lâmpadas e outras utilidades de sua residência.

Ocorre que o que a academia ainda pensa ser “deslocamento” de elétrons o que acontece nos condutores e daí surge o que chamam de “corrente elétrica”, porém não se trata de deslocamento, mas sim de vibração transmitida aos átomos do material condutor ao longo da extensão do fio/cabo, em sentidos e forças específicas em função do material e outras variáveis de controle. “Vibração” é que está acontecendo e é ela que provoca os efeitos esperados nos equipamentos que nos cercam.

Outra questão importante é que toda “vibração” contém “informação”, e informação codificada. A ciência da Ondulatória trata dessa característica peculiar do fenômeno energia elétrica, e a explora de tal forma a fazermos uso nas tecnologias para vermos televisão, ouvirmos rádio, assistirmos filmes no cinema, utilizarmos nossos Smartfones, etc. Energia codificada nos cerca por todos os lados.

Vejam esse vídeo para melhor visualizar o conceito de campo magnético (fluxo magnético), vibração/frequência e a resultante “forma de onda”.

.

Tesla_Frase_DB7_energia“Se você quer encontrar os segredos do Universo, pense em termos de energia, frequência e vibração”

– Nikola Tesla –

.

O autor dessa frase foi um grande cientista. Se não o conhecem, acessem os links AQUIAQUI. Todos da área científica atribuem a mente de Tesla como sendo uma das mais brilhantes e futuristas que já existiu.

O que vimos no vídeo é a ilustração do que é “geometria de onda”. O equipamento produz campo magnético e transmite vibrações pré-determinadas, que, variando a vibração/frequência e o fluxo magnético, vemos as figuras geométricas se formarem.

Quando falamos de fluxo ou campo magnético estamos falando de algo como sendo o “caminho” por onde a vibração/corrente elétrica/informação possa se expressar e trafegar. “Fluxo magnético” é orientador e responsável também pela “vitalização” da vibração/informação/corrente. Cada figura significa uma geometria de onda vista pelo “corte” transversal da seção por onde passa o fluxo.

Como uma “estrada” ou “rodovia”, as condições do campo interferem na forma e “viagem” da onda, ou na QUALIDADE das informações transmitidas. Campo magnético ruim, informação prejudicada. 

Em resumo, para efeito de estruturarmos e embasarmos o objetivo final desse artigo, a “Terapia Frequencial”, o fenômeno energia elétrica apresenta duas componentes: “campo magnético” que sustenta “vibração/informação” em seu interior.

.

GEOMETRIA DA ONDA: CAMPO MAGNÉTICO E O NOVO PARADIGMA DO FENÔMENO ENERGIA

VerdadeMas a questão sobre Energia Elétrica é mais complexa do que a academia vem ensinando. Devemos expandir o seu conceito para algo “fora do tempo”, considerando que energia em si independe de espaço-tempo para existir (ela mesma cria o espaço-tempo). Precisamos de um modelo que mais se aproxime da Verdade Absoluta, aquela verdade que em termos físicos e racionais nos explique como viemos parar aqui, de onde viemos e como funcionamos no conjunto: personalidade, memória e saberes, corpo físico, ambiente, universo, tudo isso em sintonia e equilíbrio harmônico, fluindo segundo a segundo.  

Feito isso teremos plenas condições de compreender o que seja “terapia frequencial” e sua relevância para nossa saúde física e emocional. Veja a figura ao lado e perceba que de onde convido você a ver o fenômeno energia é de um local fora das dimensões “espaço-tempo”, fora do local de observação que a academia ainda presa ao paradigma “espaço-tempo”, está ainda confinada.

.

NASSIM HARAMEIN MOSTROU A SAÍDA E ENTRADA DO “ESPAÇO-TEMPO”

E no caminho atrás da Verdade,  vamos conhecer um astrofísico do nosso tempo, o Doutor Nassim Haramein, suíço e conhecido internacionalmente por publicar um importante trabalho sobre o equilíbrio do espaço e buracos negros, e ser o autor de um projeto importante de investigação dos efeitos de sua teoria por onde a ciência caminha. Conheça seu trabalho no site “Project Ressonance” AQUI.

E para conhecê-lo melhor ainda, recomendo separar um tempo para assistir os 46 vídeos de curta duração (10 minutos cada) de um seminário um pouco antigo (2002) mas ainda muito “atual” pelo seu incrível conteúdo. Você poderá estudar co-relações entre física e várias partes da História das Civilizações, encontrando explicações científicas para muitos mistérios até então indecifrados, apresentado pelo Dr. Nassim nesse seminário. Abaixo apenas o vídeo 01/46, onde o playlist completo vocês podem encontrar AQUITenham paciência nos primeiros 12 vídeos. Depois fica bem interessante. Também procurem prestar atenção na ordem numérica dos vídeos, pois não obedecem à ordem que irá ser ativada automaticamente pela lista. Vejam o primeiro.

.

Chakra_coronário2Várias observações poderia fazer, mas a principal é que O Dr. Nassim concluiu a existência de Deus por compreender que tudo é energia, e assim sendo deve haver uma fonte emissora das ondas que resulta naquilo que nos cerca. Algo que se aplica aqui, em especial, é a geometria das ondas de energia que compõem o Universo, dentro do conceito de “estrutura do buraco negro”, e o duplo toroide interativo que resulta no equilíbrio vetorial (estabilização) de tudo o que existe e pode ser percebido pelos sentidos do nosso corpo, dando-nos os seus efeitos  o que percebemos a nossa volta, formando a “tela do cinema” de nossa existência.

A forma de onda geométrica acima dá ideia da resultante energética do campo eletromagnético que surge aqui no final do percurso da onda que nos faz existir, e no vídeo abaixo vemos o próprio Dr. Nassim apresentando um resumo de sua teoria.

 

A compreensão do que o físico Dr. Nassim disse é de que a estrutura vetorial de um buraco negro demonstra que nós todos “surgimos” nesse universo depois de trafegar como onda eletromagnética, vindo de algum lugar fora do que percebemos por universo, onde os primeiros códigos dessas ondas criam o “espaço-tempo” que nos individualiza e nos sincroniza com os demais objetos e outros seres, que por sua vez estão passando pelo mesmo processo.

As animações do vídeo acima mostram a forma geométrica da onda de energia que “chega” nessa baixa frequência em que vivemos, já com todos os códigos em ação, onde os últimos códigos são os que resultam nos elementos que encontramos na tabela periódica dos elementos, formando o que compreendemos ser a “matéria”.

Como ondas de rádio ou de televisão possuímos decodificadores criados dentro da nossa própria onda interagindo com o universo…. seria algo como uma onda de rádio, numa dada altura de seu trajeto, viesse a se transformar num rádio para em si mesma receber e emitir som. É isso que vemos acontecer pela geometria de onda eletromagnética que as animações do duplo torus que o Dr. Nassim apresentou.

Devemos notar que o Dr. Nassim apenas enxergou o como “aparecemos” aqui (“buraco negro”), mas não de onde viemos, ou como viemos. Ele equacionou a parte da “tela”, tangenciando o perceptível pelos nossos sentidos e capacidades de medir, daquilo que é a normal extrapolação de sua teoria, com esse importante conceito de relatividade aplicado nas harmônicas trafegando de acordo com a mesma geometria especial. Essa extrapolação é lógica, porque havendo onda de energia trafegando há necessariamente uma “fonte” e um “caminho” perfeitamente equilibrado e definido para a propagação da onda e seus códigos. Isso também é física.

Nós literalmente “surgimos” aqui, e daí voltamos em termos de fluxo magnético, pela dinâmica do duplo torus interativo. Estamos acontecendo em função da decodificação de onda programada pela fonte emissora, que lançou-nos um dia e que pela complexidade da formulação dessa onda, nós nela mesmos rodamos um fantástico programa que prevê inclusive a interatividade existente entre tudo e todos durante nossas vidas…. é algo que realmente impressiona a ponto de não conseguirmos alcançar com nossas mentes toda a complexidade envolvida nisso.

O impacto dos trabalhos do Dr. Nassim é de enorme importância, pois apresenta o caminho para que a ciência com sua mais importante área, a física, aponte como o Criador operou e opera Sua obra (modus operandi). Conseguimos finalmente tocar a “fronteira”. Muito importante isso, mesmo que ainda um pouco complexo para se entender.

Nosso campo magnético próprio pode também ser compreendido como sendo o nosso “espírito”.  Esse campo (ou mesmo “fluxo” magnético) também deve possuir características especiais para melhor nos organizar e vitalizar dentro dos códigos que possuímos e operamos no dia a dia. A qualidade do campo magnético vai interferir na qualidade de todas nossas ações e mesmo qualidade de funcionamento de nosso corpo.

.

CAMPOS DIAMAGNÉTICOS E PARAMAGNÉTICOS

magnetismoEstes são parâmetros técnicos importantes para compreendermos nosso princípio de funcionamento. A componente do fenômeno energia elétrica chamada “campo magnético” possui variação quanto ao fenômeno de atração ou repulsão entre partículas de substâncias diferentes. Devemos entender que “partículas” ou “íons” ou qualquer coisa são “informações”.

Permissividade e Susceptibilidade Magnética são os parâmetros mais importantes para a manutenção da boa saúde humana. Descrevem a grosso modo, a tendência que um material tem de se apresentar internamente diamagnético ou paramagnético quando exposto à ambiente magnético externo. 

Quando falamos de atração ou repulsão entre elementos diferentes, que são fenômenos que ocorrem dentro dos corpos humanos (em decorrência das características dos elementos químicos e dos atritos entre eles como acontece entre paredes de veias e artérias com os elementos que ali circulam), estamos nos referindo às características de permissividade magnética e susceptibilidade magnética das informações/partículas, como sendo “paramagnéticas” quando vemos ocorrer “atração magnética” no meio das reações químicas e atritos entre partículas, ou “diamagnéticas” quando ocorrem “repulsão magnética”.

Atrito ou movimentações de moléculas e partículas iônicas se dão em ambiente magnético interativo que, diante da susceptibilidade magnética e permissividade do meio, podem gerar desde a atração entre elas como mesmo repulsão, interferindo assim na eficiência dos processos eletro-bioquímicos em andamento.

A característica do sistema para essa “permissividade e susceptibilidade magnética” para o “atrair” ou o “repelir” pode ser visualizado numa tubulação onde encontramos o que chamamos de “incrustação”. Tubos incrustados de radiadores de veículos, em tubulações de oleodutos e no nosso caso de interesse, em veias e artérias humanas.

A força de gravidade não determina onde ocorre incrustação, mas sim a atração magnética devido ao paramagnetismo elevado do meio

A força de gravidade não determina onde ocorre incrustação, mas sim a atração magnética devido ao paramagnetismo elevado do meio

Vejam a figura ao lado de um “cano entupido” por calcário (cálcio e manganês na fórmula, além de carbono e oxigênio). Percebam que ocorre a “incrustação” de forma radial e homogênea, implicando ser um efeito “magnético” que orienta a atração entre elementos que “entope” a tubulação.

O mesmo efeito, o “paramagnetismo” acentuado do meio, é o que distorce os processos bioquímicos do nosso corpo, provocando “doenças” e desajustes metabólicos, os quais geram também desequilíbrios nas produções de hormônios, e com isso sensações desconfortantes e mesmo aflitivas que nos fazem ter distúrbios emocionais e mentais.

Um exemplo muito claro desse efeito nocivo do paramagnetismo elevado em nosso corpo são as pedras nos rins, fígado e vesícula, ou mesmo mal funcionamento dos rins (por ineficiência de suas membranas que “entopem” também). Elevação da condição paramagnética do corpo é resultado de campo magnético ruim para a existência saudável do ser humano, para questões mentais, emocionais e físicas corporais.

Falar de saúde sem atuar na susceptibilidade magnética é inócuo, sem efeito prático para o que causa qualquer problema, sendo causa primária de distúrbios e doenças quaisquer. 

Utilizando o exemplo de veias no corpo humano, se ocorrem depósitos de materiais nas paredes das veias (aterosclerose/arteriosclerose), o “meio” “sangue + veias” é classificado como alto paramagnético. e precisa ser reduzido/neutralizado para resolver a causa primária do problema. O “ótimo” para a saúde humana é nos vermos em ambiente “neutro” para a susceptibilidade magnética. 

Os estudos e teorias relativas a essas características de campos foram iniciadas no século passado (1935) por André Emile Barbier, se valendo dos descobertos na época de Michael Faraday e Hans Christian Oersted. Mais tarde, em 1966, o cientista brasileiro e meu particular amigo Doutor Luiz Meneses, se juntou ao Doutor André Barbier para terminarem a pesquisa, o que ocorreu e resultou na fabricação de catalisadores físicos.

A pesquisa foi importante porque trouxe os conhecimentos à humanidade sobre a susceptibilidade magnética que existe nos materiais, demonstrando ser esse fenômeno responsável vários problemas de funcionamento do corpo humano, bem como é responsável por vários sintomas emocionais que vemos aumentar de forma exponencial em nossos dias.

A amizade com o Doutor Luiz Meneses (conheçam sua empresa AQUI) resultou num tratamento terapêutico por catálise feito por vários anos. A terapia catalítica envolveu ingestão de água tratada diariamente por campo magnético emitido por uma “pilha”, cujo efeito era reduzir gradativamente minha resultante paramagnética, altamente paramagnética no início do tratamento, resultando o tratamento a me ver próximo da condição “neutro”.

Os resultados visíveis e mensuráveis foram redução acentuada e estabilização de minha pressão arterial que chegou a ser 15 x 11, hoje entre 6,5 x 10,5 e 7 x 11, e outros ganhos pela desincrustação dos meus sistemas internos, resultando aumento de capacidade respiratória, redução/estabilização importante de artroses já surgindo, a melhor fluidez mental para montagem de pensamentos e raciocínios, melhor circulação de energia pelo corpo, etc. Infelizmente os catalisadores que fiz uso não são mais fabricados. A ANVISA proibiu o cientista de fabricá-los.

Mas algo bastante interessante é que a Lei de Faraday continua sendo aplicada em meu corpo, agora para transferência da condição de susceptibilidade que adquiri, algo que aponta o caminho científico para o explicar o por que imposição de mãos de determinadas pessoas podem provocar efeitos terapêuticos que amenizam sintomas e mesmo por vezes curam doentes.

A técnica conhecida como “reiki” é o exemplo mais conhecido em nossos dias, sendo aplicada e prescrita pela própria medicina ortodoxa (acadêmica) nos principais hospitais em todo o mundo.

Como importante conclusão dessas experiências vemos o corpo humano reagindo de maneira sensível às características de susceptibilidade magnética, as quais alteram de sobremaneira o desenrolar de seus códigos (correntes elétricas/vibrações/informações) para seu bem funcionar. Essa informação é de vital importância para o tratamento tanto preventivo quanto corretivo de doenças já existentes.

Não vou entrar na questão do “ferromagnetismo” encontrado em todo corpo humano, outra característica para a susceptibilidade, face às reações químicas que ocorrem continuamente entre elementos metálicos no corpo, de sobremaneira agravada pela existência nas células de metais tóxicos, pois dificultaria ainda mais a compreensão desse tema.

Mas registremos que mesmo estando funcionando todo o corpo corretamente em termos sistêmicos, se a pessoa está altamente paramagnética, ou mesmo ferromagnética para sua resultante magnética em certas áreas, esta pode colapsar e simplesmente se ver com um câncer fulminante, ou infarto, ou AVC ou outras várias doenças que vemos como que “surgindo do nada” e levando pessoas à morte, e sem explicações pela academia do por que aconteceu.

Mas precisamos ainda de um pouco mais de conceitos eletromagnéticos para então falarmos sobre o como cuidar efetivamente da saúde humana. Sigamos no buscar a base para a compreensão do todo para o “como funcionamos” e porque a “terapia frequencial” funciona.

Vamos agora conhecer o nosso “edifício existencial”, ou a arquitetura frequencial divina que explica melhor o como funcionamos, em termos ainda conceituais mas já apontando para o que será o caminho por onde a humanidade saberá cuidar dos problemas de saúde precoces, sem interferências que vão surgindo e acelerando o processo depreciativo dos sistemas do corpo, causadores da queda de qualidade de vida e morte prematura.

.

HARMÔNICAS: ANDARES DO EDIFÍCIO “SER HUMANO”

Na academia de engenharia eletrotécnica existe uma cadeira que estuda filtros harmônicos. Esse fenômeno “harmônicas” lá ensinado está relacionado com o uso de energia elétrica que provoca o surgimento de “sub-ondas” de energia “dentro” da forma de onda de energia principal, sub-ondas que apresentam anomalias e efeitos indesejados.

São como novas ondas de energia que se manifestam negativamente pelo uso da energia original, as quais acabam provocando “DISTORÇÃO” das características do campo eletromagnético da onda original.

Esse inconveniente (geração de harmônicas) que a academia estuda, faz com que surjam correntes elétricas (vibrações) que acompanhadas de campo próprio e distorcido, caminhem pelos circuitos elétricos e provoquem distorções do formato das ondas elétricas que alimentam outras cargas. Acontece nessas situações o que conhecemos por “ruído”.

ruído_gráficosRuído

Esses “ruídos” provocam, como exemplos, interferências nas imagens de TV, nos sons de rádios e em equipamentos elétricos de toda espécie, podendo interferir de forma até danificar equipamentos eletroeletrônicos.

TV_Chuviscos_SaudeeSabedoriaExemplo são os “chuviscos” que se percebiam nas televisões antigas. E quando havia uma serralheria no mesmo circuito elétrico dos postes da rua, harmônicas geradas nas máquinas de solda circulavam pelo circuito e provocavam os “chuviscos” de tal forma, que por vezes não permitia sequer compreender o que se passava no programa. 

Para a análise de harmônicas, temos que cada caso é único e faz surgir harmônicas específicas, como exemplo uma “terceira harmônica” resultante do acionamento de um motor trifásico de um compressor de ar do posto de gasolina. Essa terceira harmônica significa o surgimento de uma sub-onda de energia de comprimento 1/3 da onda fundamental, ou uma onda de vibração ou frequência 3 vezes mais “rápida” que a fundamental (1ª harmônica).

Até por volta da centésima harmônica se pode medir e construir filtros específicos para eliminar a circulação dessas distorções em redes elétricas, mas não há estudos que consigam traduzir de forma científica o que de fato são as harmônicas, como elas se interagem dentro de uma onda fundamental (principal), ou como podemos controlá-las para dividí-las e decifrar o que se dá em cada uma delas. Limite de conhecimentos humano para essas questões.

Interessante é observar que a academia sempre desconsiderou o que é o normal questionamento sobre como é que apenas no uso de energia em determinadas situações é que surge o fenômeno “harmônicas”. Será que ele “surge” só com certas forma de se utilizar energia, ou já está lá, funcionando bem e de tal forma que não chame a atenção, a não ser que sofra alguma espécie de distorção em seus normais códigos contidos?

Energia também obedece códigos de funcionamento e não é lógico o “surgimento” de ondas harmônicas de forma seletiva no uso da energia, e ainda mais com resultados que são tidos como “distorcidos” e desequilibradores de campo magnético sistêmico.

Creio sim, e isso é lógico, que determinados usos de energia acarretam em distorções especiais em determinados “andares” da onda de energia geral, que estas distorções acabam provocando problemas onde há interconexões e interatividades energéticas sistêmicas. As distorções se evidenciam por justamente criarem alguma espécie de turbulência, possível daí de se observar e medir.

Como raciocínio lógico, devemos compreender que para toda onda de energia existe uma quantidade muito grande de harmônicas dentro dela, com todas as características da onda principal, porém com frequências de vibração maiores a cada “andar” ou harmônica.

Vejam a figura representando o conceito. 

TF_DanielBestetti_Harmonicos

.

Na aplicação do conceito de equilíbrio vetorial apresentando pelo Dr. Nassim, com buracos negros nos trazendo até a nossa realidade, é conclusivo entendermos que as harmônicas da onda de energia criam um outro conceito de “distância” ou mesmo “espaço”, só que em termos de “energia” e mesmo “frequência”.

O Universo, objetivo final da programação da onda original, tem dimensões as quais podemos “perceber” pelos sentidos do nosso corpo. Porém, o que somos obedece a outra relação espacial, desta feita “frequencial” ou “vibracional”. Temos “velocidade” medida em termos de deslocamento de onda (“ondulatória”), com qualidade sendo estabelecida para o fenômeno energia (nossa existência) que se “desloca” no tempo (passa pelos nossos dias), de acordo com a qualidade do campo magnético em que “vibramos”, e a qualidade da vibração (= “informação”) que apresentamos.

Cada nível harmônico possui seus próprios códigos dentro do tempo, que interagem conforme um programa geral maior com todos os demais resultados de cada nível harmônico. A teoria do  multi-universos se aproxima do que entendo ser a verdade, mas para cada fragmento que ao final resulta no que percebemos aqui. Existem níveis harmônicos que antecedem este que vivemos, e o prepara.

Em determinados níveis harmônicos da onda geral, existe a individualização de cada ser humano. Somos nível harmônico que para o nosso referencial, passamos a ser tidos como um edifício próprio, com seus próprios níveis harmônicos.

A natureza nos ensina ser assim, onde o Doutor Nassim Haramein e outros cientistas já observaram a existência de relações de ondas geométricas expressas na criação da vida. Essa relações são resultados da organização entre harmônicas que se somam para tornar realidade cada ser vivo no planeta. Somos seres organizados com geometria e matemática atuando continuamente de acordo com o que está sendo estabelecido em cada andar do edifício que cada um de nós representa. 

12513727_582682088564325_4192139471595467352_o

.

O que diferencia seres humanos são códigos existentes em determinados níveis harmônicos de cada um, os quais obedecem a regras estruturais energéticas próprias, caracterizadas por geometria de onda específica. Na figura, vemos a “roda da vida”. Pesquisem sobre ela e entenderão melhor. Se assistirem os vídeos do seminário do doutor Nassim oferecidos acima, saberão sobre elas e muito mais. Recomendo.  

A figura a seguir sintetiza o visto até aqui. 

Resumo_TF_S&S_engDanielBestetti

.

.

Somos seres de energia. Existimos da forma como percebemos pela decodificação de uma onda eletromagnética enviada da eternidade (fora do tempo – espaço), que em si mesma gerou nossas dimensões (espaço – tempo), e, por muitos códigos existentes nas incontáveis harmônicas que compõe cada ser humano, “acontecemos”.

É possível compreendermos nossa existência na divisão proposta na figura. Estivemos na eternidade em nossa criação, e entramos numa parte de nossa programação que interage com o tempo-espaço, e ficamos “vivos” ao circularmos pelos nossos códigos entre os “andares” que as harmônicas de cada um gerencia, com sincronicidade e organização e vitalização pelo campo magnético que se desloca em uníssono conforme a geometria de ondas apresentadas pelo astrofísico Nassim Haramein.

O campo magnético é único e polarizado entre o primeiro e o último andar dos “edifícios”. Nosso mundo possui outro tipo de polarização onde, nossos dois polos norte e sul em tudo o que nos cerca, formam “um polo” apenas que interage com o polo frequencial no primeiro andar (fonte da onda). Nossa existência obedece a princípio de funcionamento sistêmico “tri-polar” (Cristãos, em sua forma de falarem sobre nossa existência, chamam essa característica de “Trindade”, base para o Evangelho/Verdades/regras energéticas vigentes).

Nossas experiências/lembranças, personalidade, sentimentos, saberes, fonte de motivos, fluidez mental, DNA, tudo relativo à mente, se encontram nesses andares que se correlacionam como numa verdadeira empresa, interligados por sistemas de comunicação e integração eletromagnéticos sofisticados.

Nessa metáfora do edifício, podemos entender que o universo e todos nós que aqui ainda vivemos, estamos confinados com nossa consciência dentro do último andar, o andar onde se dá tudo o que seja “matéria”, tudo o que percebemos por ser o Universo da forma como conhecemos com nossos sentidos do corpo, composto pelos elementos da tabela periódica.

Essa teoria apresentada dá aos trabalhos do Dr. Nassim uma aplicação para sua teoria que faça sentido, explicando assim o “por quê” ele está certo para seus cálculos e conclusões sobre geometria de onda, buraco negro e equilíbrio do espaço”. Satisfaz-se assim a grande interrogação que o meio científico busca eliminar, para aceitar o trabalho do doutor Nassim de vez, e por consequência em cima dele desenvolver outros estudos, que mesmo aqui aponto o caminho por onde devem seguir.

Agora, vamos ver algo sobre outro importante fenômeno eletromagnético, fenômeno responsável pelas causas do surgimento de nossas doenças e desequilíbrios emocionais: Ressonância.

...

RESSONÂNCIA ELETROMAGNÉTICA: UMA DAS CAUSAS DE DOENÇAS GRAVES

Para compreender o que nos acontece quando ficamos gravemente doentes é importante adquirirmos conhecimentos sobre o fenômeno ressonância eletromagnética. Mesmo se tratando de algo muito técnico e abstrato tentarei apresentar de forma simplificada o que acontece eletromagneticamente, e que acaba por afligir a humanidade na geração de cânceres e doenças degenerativas graves (Parkinson, Alzheimer, ELA, etc).

Ressonância é um fenômeno que causa o aumento de potência de um sistema em que duas ondas de energia de mesma direção porém de sentido contrários, se encontram. O sincronismo (direção+frequência+amplitude) que pode ocorrer entre elas acarreta o aumento indefinido de potência, o qual gera distorção de suas características com possibilidade de causar colapso da estrutura.  

Vejam exemplos de “colapsos” acontecerem em duas situações: “ponte de concreto” e “copo de cristal”.

.

.

.

O que pudemos ver foi um aumento de potência indefinido que interferiu no conjunto de informações que estavam sendo decodificadas e gerando aqui no universo o que entendemos por “ponte” e “taça”, vindo a colapsar esses objetos.

Mesmo que não chegue a ocorrer na maioria das vezes “colapso” em nosso corpo com disfunções sistêmicas visíveis, quando ocorre alguma ressonância importante em nossa área de alta vibração pode acontecer todo tipo de problema.

Desde os problemas que geram doenças da mente, conhecidas e classificadas pela Organização Mundial da Saúde OMS –  AQUI, bem como todos as demais problemas visíveis no corpo físico. São colapsos de pequena intensidade (ou não) e localizados em tecidos/grupos de códigos específicos.

Colapsos ressonântes são o que vemos provocar “pânico”, “insônia”, “depressão”, “ataques de irritabilidade/fúria”, compulsividades exacerbadas, e até mesmo coceiras, cólicas, e efeitos mais graves ainda, como degenerações de tecidos, cânceres e doenças neurológicas. 

Mesmo não sendo todos esses sintomas provocados exclusivamente por “colapsos ressonantes”, por vezes são e, em sendo, encontra-se mais rapidamente a fonte das ondas incidentes ressonantes, que, cessadas, curam de fato a pessoa. 

Se já instalado o efeito do colapso no corpo físico com degeneração de tecido, pode ser necessário após a eliminação do ruído/ressonância/colapso algum tempo para que a codificação sistêmica retome seu normal funcionamento, o qual operacionaliza a regeneração celular natural, restabelecendo a harmônia do mecanismo biológico original. Restabelecimento total dependerá do tempo de troca celular dos tecidos inicialmente prejudicados.

Praticamente todas as células do corpo humano são trocadas a cada 7 anos, sendo este o tempo de vida esperado para as células ósseas.

Neurônios se espera durarem a vida inteira, com inclusive medição da expectativa de vida da pessoa pela medição da taxa de encurtamento do telômero dos neurônios de uma pessoa (telomerase), que sofrem natural deterioração. Mas também para essas células do sistema nervoso existe um sistema de regeneração, chamado de neurogênese, que faz surgir novos neurônios a medida que ocorrem destruição dos existentes. É o processo mais lento de regeneração do corpo humano. 

Existem outras formas de ocorrerem ressonâncias em nossa área de alta vibração. Ondas de mesma frequência que transitam no mesmo sentido também provocam esse fenômeno, porém sem colapsar a estrutura. Nesses casos ocorre a vitalização da informação contida na onda, por ajustes que ocorrem nas duas ondas que se encontram. Devido à normal distorções de campo magnético, há normal deformação da informação e o fenômeno então “vitaliza” a informação, criando perda de função no programa geral. 

Ondas de energia geradoras da nossa existência individual trazem códigos de funcionamento que nos tornam únicos. Mas dos ruídos/ressonâncias, disruptivas ou não que vamos acumulando ao longo de nossas vidas, vemos surgir as falhas de funcionamento ou doenças da mente e do corpo que vão nos envelhecendo prematuramente. 

As partes (sub-ondas) e seus códigos operam nossa existência com a execução destes dentro do nosso campo magnético (“espírito”), que apresentam variações quanto ao nos organizar e vitalizar. Códigos funcionam dentro de certas características de campo/fluxo magnético especiais, variando resultados de acordo com a susceptibilidade magnética apresentada (diamagnético/paramagnético), como vimos anteriormente, e a “potência” magnética no nível harmônico. 

Conhecido esse importante fenômeno físico-energético “ressonância eletromagnética”, vamos olhar um pouco para um conjunto de glândulas e tecidos do corpo humano que possuem função de traduzir os códigos frequenciais que nos chegam de “andares” inferiores (harmônicas de alta vibração) na produção dos mais de 100 hormônios que circulam dentro de nós.

Todos os tecidos orgânicos que produzem hormônios funcionam como “transdutores de energia”. Vamos conhecer um pouco sobre este princípio.

DECODIFICADORES/TRANSDUTORES DE ENERGIA:

Pineal, hipófase, hipotálamo, tireoide, timo, coração, pâncreas, supra adrenais, ovários e testículos são nossos principais “aparelhos de rádios” ou decodificadores de instruções contidas nas ondas harmônicas que nos chegam, mesmo que cada célula do nosso corpo seja participante de algum processo que produz hormônios.

Nossas células funcionam como “transdutoras” de sinal (transformam uma grandeza de energia em outra, no caso, energia eletromagnética em energia bioquímica-hormonal), ou seja, células organizadas principalmente em “glândulas” funcionam como decodificadoras dos códigos contidos dentro das nossas sub-ondas (harmônicas).

Hoje cientistas descobriram que em cada célula ocorrem cerca de 100.000 reações químicas por segundo, com gerenciamento por frequências do espectro luminoso. Somos portanto numa das partes de nossa existência, seres de luz. Essa incrível organização de biofotons a nível celular você pode aprender bastante nesse artigo AQUI.

Fácil perceber o por quê cientistas não se entendem no convergir conhecimentos sobre o que realmente acontece no corpo humano, sendo teoria atrás de teoria e nada de gestão adequada para a nossa saúde que seja eficiente e “fechada” para o que deva ser feito. Navegando em pesquisas apenas pelo que os sentidos do corpo percebem neste plano frequencial (neste nível harmônico), não vão mesmo conseguir.

Cada uma das trilhões de células do nosso corpo possui a incrível característica de conter internamente códigos de gerenciamento da matéria (elementos da tabela periódica) para a sua manutenção e operação, e então por sua vez obedecem de forma interativa a construção de outras partes do sistema conforme níveis harmônicos do código existencial individual de cada “coisa” que existe no Universo, tornando o ser humano uma magnífica máquina biológica que se cria e se opera em si mesma na interação com o meio ambiente. Um “edifício” de códigos trabalhando para a formação e vida fluída de uma pessoa.

“Edifício” que tem a capacidade de transformar energia em células vivas e mantê-las vivas/funcionando, que por sua vez são instruídas pela mesma onda de energia como devem essas células se interagir e funcionar sistemicamente. Toda a vida humana está contida dentro de um tremendo e complexo programa de ondas de energia, onde a regência destas relações sistêmicas se dão pela produção e interação dos mais de 100 hormônios produzidos pelo corpo.

Existe algum problema de funcionamento do corpo? Interferências na decodificação das instruções de produção de hormônios causam esses problemas, principalmente.

A decodificação de códigos elétricos para bioquímicos que ocorrem nas células das glândulas endócrinas, podem ser considerados como “escadas” por onde circulam informações entre os andares do nosso edifício. Do que sobe e desce por esses degraus vem a qualidade do que se vê nesse último andar (corpo e mente funcionando em uníssono). É setor de alta prioridade ser conservado e mantido perfeitamente livre e desimpedido de obstáculos, para que estejamos bem, saudáveis e nos tornando mais sábios, e sempre vendo ser respeitados os locais por onde “sobem” e por onde “descem” as informações, conforme a geometria de onda trazida pelo modelo do astrofísico Dr. Nassim Haramein (duplo tórus).

A geometria de onda vista no vídeo do doutor Nassim mostra como é a geometria de deslocamento de ondas (“estradas”) por onde as informações trafegam, chegando e nos trazendo nossa existência e levando experiências, conhecimentos, aprendizados, e “lixo” de volta às áreas (andares) de alta vibração. Assim é a representação do sobe e desce pelas escadas da nossa existência, entre os níveis harmônicos.

Para entendermos o espectro do que acontece, olhemos para o espaço. Ele é a “escada” que nos separa do penúltimo andar do prédio “universo”. Entre o nosso mundo e o local onde se dão o processamento e ajustes para a existência desse andar, existe a barreira ou singularidade ou “escada” mesmo que leva um conjunto de informações que prepara por último as informações que se dão aqui nesse universo.

Informações “chegam” pela geometria que vimos, captam informações aqui para levar aos andares inferiores e retroalimentar o programa de onda com as instruções necessárias para voltar e alimentar o todo do sistema com informações “ajustadas” pelo que vai nos acontecendo. Estamos em contínuo sistema de ajustes e adaptações que viabilizam vivermos aqui nesse mundo. O espaço é a fronteira primeira entre essa nossa percepção de universo e a que o antecede, local por onde também circulam outras formas de “vida”/criaturas.

O caminho para qualquer cura e manutenção de boa saúde deve necessariamente considerar realizarmos ações que minimizem aquilo que atrapalha esse sistema de tráfego de informações, “limpando” sujeira que impeça esse trânsito se dar fluidamente e conforme programa original, e cuidando das condições de bom uso dos degraus. Isso implica em ajustar o máximo possível para o neutro em susceptibilidade magnética os seres vivos, e eliminar destes quaisquer ruídos frequenciais (informações frequenciais do que nos prejudica). Veremos isso novamente a frente.

Nas investigações e ações visando gerenciar a produção de hormônios, bem como na busca de manutenção do funcionamento correto das glândulas, vemos a medicina ortodoxa e as medicinas novas chamadas de “pós genômicas” atuando.

Conceitos como detoxificação e nutrição, mais modernos, visam trazer soluções para essa questão de geração e harmonização da produção de hormônios, que por sua vez com os nutrientes corretos provocam correta metabolização e consequentemente correções de problemas (curas de doenças).

Mas essa abordagem difundida pela nova medicina que envolve nutrição considera apenas o que o último andar do ser humano, ou apenas seu corpo físico (bioquímico). Desconsidera as sujeiras dos andares inferiores que interferem nas instruções do que originam o corpo, e muito menos considera que existe o caminho de retorno percorrido por muitas informações/vibrações, na alimentação dos dados do nosso HD vibracional ( ou “hard disk” do nosso computador vibracional, nosso local “frequencial” onde armazenamos dados/experiências/conhecimentos/personalidade).

Para compreendermos melhor esse mecanismo cíclico para o trânsito de informações/vibrações, vamos conhecer um pouco sobre o que a medicina oriental de maneira superficial já entendeu existir, mas que nós aqui vamos conceitualmente melhor explorar. 

.

CHAKRAS: ELEVADORES DO NOSSO EDIFÍCIO

Cada célula possui um fluxo de campo magnético próprio por onde acontecem mais de 100 mil reações químicas por segundo, que por sua vez representam milhões de informações frequenciais sendo decodificadas por altíssimas vibrações que estão ali chegando.

Mas chegam também informações para a gestão da integração entre células, organizando-as em tecidos e órgãos, que por sua vez devem ainda obedecer a outros códigos que dão sincronicidade ao funcionamento sistêmico do corpo todo. Ainda dentro do mecanismo, devemos considerar a circulação das informações sensoriais com o consequente “pensar”, tudo necessitando de sensível coordenação.

As informações que controlam todas essas etapas circulam por regiões magnéticas de nível harmônico, portanto de altíssimas velocidades. Existem vários andares, devemos lembrar, e todos eles possuem suas “escadas”. Nossas glândulas endócrinas cuidam das “portas” de entrada e saída desse nosso último andar. Elas estão de frente às escadas que chamamos de “chakras”. Os nossos chakras possuem vários níveis, pois em cada andar existem degraus que ligam um à outro.

Chakras são definidos como áreas do corpo onde ocorrem concentração de fluxo magnético para tráfego de informações de altíssima velocidade (níveis harmônicos). 

O funcionamento (vibração) da célula interfere em seu campo, que por sua vez interfere no campo magnético do corpo todo (último andar), e vice e versa. Alterações em nosso campo magnético aqui, em nosso universo, vão interferir no campo magnético resultante entre todos os andares (níveis harmônicos), que interferem no funcionamento das células. A geometria do duplo toroide mostra a propagação de onda dentro desse campo resultante entre os níveis harmônicos.

Falta de sincronicidade entre campos magnéticos individuais das células, que em casos graves provocam até desalinhamento (mudança do curso) da resultante magnética, provoca distorção e/ou perda de informações que trafegam ali. São os “acidentes” nas estradas esburacadas e cheias de óleo nas curvas, utilizando uma metáfora com nossas estradas de automóveis. 

Qualquer problema nas células do corpo, em qualquer de seus níveis harmônicos, vai interferir nos fluxos magnéticos, nossas “estradas” de tráfego de informações, causando os distúrbios e mesmo mal funcionamento sistêmico que conhecemos por “doenças”.

São 8 as principais áreas do corpo humano onde se concentram resultantes energéticas que mereçam ser destacadas, vistas na figura abaixo.

LogoDB7_3.

Estes “rádios” vistos na figura, são como que “elevadores” por onde trafegam informações entre nosso corpo (último andar) e demais andares da noissa existência. Cada rádio ou glândula endócrina recebe códigos que trafegam pelas estradas magnéticas da região (resultantes magnética) e os “traduzem” para a produção dos hormônios e substâncias pertinentes à glândula.

Mas cada andar possui seu próprio “corpo de informações/códigos” com suas próprias resultantes magnéticas. Existem duas direções distintas para a “estrada” campo magnético: os fluxos e resultantes dentro do próprio plano/andar/harmônica, e ainda os fluxos e resultantes entre cada plano/andar/harmônica. 

Dentro de um plano/andar vemos os dois polos norte e sul ilustrados no início, funcionando. A polarização é necessária para que haja decodificação também de informações nesse “andar” (haja “trabalho” ali).

Quando consideramos a questão entre planos ou andares (entre harmônicas) os dois polos de cada andar são considerados apenas um para a polarização de “susceptibilidade magnética”, que é a responsável pelo tráfego de informações entre andares. Cada resultante polar (entre os dois polos de cada andar) vai interagir na resultante de susceptibilidade magnética de todo o edifício. 

O conceito da criação envolve 3 polos (Trindade Cristã), sendo dois em cada plano/andar, criando condições para que as informações do andar se decodifiquem/realizem e CIRCULEM para o andar programado. Esses dois polos que interagem no andar, possuem uma resultante quanto a sua susceptibilidade magnética.

Uma ilustração da importância desse conceito está aqui nesse nosso universo (último andar). Quanto mais uma pessoa interage com o universo, mais paramagnética é sua resultante, e assim mais afastada da neutralidade dessa condição de susceptibilidade junto ao polo fora do tempo, e portanto mais sujeita a desenvolver doenças mentais e físicas.

O exemplo mais conhecido é a astrologia. As forças resultantes magnéticas de cada planeta e do Sol provocam alterações no campo magnético das pessoas, interferindo no seu campo para a característica “susceptibilidade”. Quanto mais paramagnéticas as pessoas estão, mais reagentes às resultantes magnéticas astrais elas se verão, e em função disso normalmente desenvolvem processos depreciativos mentais e físicos mais rápido pela constante oscilação de seus campos magnéticos.

A susceptibilidade magnética está relacionada com a polarização do nosso edifício existencial, e não apenas com a polarização de um andar unicamente. Se uma pessoa tem campo magnético muito acentuado para a condição paramagnética, ela apresenta fator de distorção de informações na transdução de suas glândulas endócrinas, gerando no passar do tempo maus funcionamentos do corpo e da mente como um todo (doenças não programadas). 

Todos esses sistemas de resultantes energéticas (estradas magnéticas) estão interligados e necessariamente devem estar sincronizados, calibrados, alinhados e estabilizados o mais próximo possível do seus “neutros” para susceptibilidade magnética. Daí ocorre fluidez perfeita de seus códigos.

Pessoas com campo próximo ao permissivo “neutro” tem o melhor fluir informações/vibrações para a montagem de tudo o que sejam suas partes existenciais, inclusive sua fluidez mental (“fluxo de pensamentos” coesos e alinhados com verdades absolutas –> sabedoria). 

A saúde humana depende dessas características de campo: sincronicidade entre os milhões de pequenos fluxos de campo de cada célula, os quais devem estar calibrados corretamente, formando uma resultante homogênea e alinhada de fluxos neutros que propiciem o correto decodificar dos nossos códigos existenciais –> ideal.

Portanto, a susceptibilidade magnética deve estar equilibrada para que alcancemos o melhor “lugar” para nos vermos em condições de apresentar Saúde e Sabedoria.

Desajustes energéticos que venham ocorrer nas regiões descritas na figura acima, são importantes pontuadores (efetivas causas) dos problemas de saúde que seres vivos enfrentam. 

.

RUÍDOS FREQUENCIAIS: SEGUNDA CAUSA DAS DOENÇAS

A primeira causa é distorção de campos. Sem distorções de campo magnéticos e fluxo, ruídos frequenciais não “entram” facilmente e acabem originando eventos que se transformam em desequilíbrios emocionais e doenças no corpo. Vamos entender melhor como surgem nossos problemas de saúde vendo alguns exemplos. 

A tabela a seguir traz apenas algumas das relações existentes entre ruídos frequenciais provocados por experiências comuns sentidas pelas pessoas com a região do corpo por onde eles normalmente “entram”, e os órgãos que apresentam riscos de mal funcionamento em função destes tipos de ruídos.

É apenas uma amostragem, pois cada sintoma está associado a inúmeros outros sintomas, que por sua vez em conjunto provocam desequilíbrios magnéticos que vão provocar mal funcionamento de sistemas metabólicos, por sua vez causam aumento dos problemas, gerando um ciclo vicioso e auto-sustentado em eventos nocivos para a criação e potencialização de doenças. Ou cortamos o processo na raiz, ou vemos a deterioração acelerada do corpo e mente acontecerem. Vejamos.

chakras_sintomas_DB7Energia

.

Na tabela, Ruído Frequencial = Sintoma sentido.

Como um dos mais perigosos sintomas, temos a autossugestão. É a característica que a pessoa que a apresenta possui de projetar cenários negativos ao observar eventos corriqueiros do seu dia a dia, fazendo com que seu organismo produza em função dessas “hipóteses” criadas, a química hormonal corporal “ruim” que seria gerada se realmente acontecesse tais “hipóteses”. A pessoa “sofre por antecipação”, em cenário bioquímico criado. O “frio na barriga” é exemplo.

Todo ruído frequencial tem a característica de ser “viral”, ou seja, é anomalia energética que normalmente acompanha ondas de pensamentos emanados por outras seres vivos. Ondas de pensamentos possuem “harmônicas” e são bem sutis. Não há equipamentos fabricados pelo homem que possuem capacidade de medi-los.  

Sempre que uma pessoa “pensa” em você, ela “monta” essa onda eletromagnética sutil com muitas informações espalhadas em seus andares (harmônicas).

Toda química hormonal que expressa as emoções ao se criar pensamentos, será traduzida para sinais eletromagnéticos no cumprir-se o caminho inverso nas glândulas endócrinas, que, remetendo as informações para os andares pertinentes, irão se organizar e retornar instruções para emissão de ondas eletromagnéticas sutis para esse nosso plano contendo todas as informações que geraram os pensamentos.

Quanto mais ruídos a pessoa tiver, mais pensamentos contaminados ela acabará emitindo. Padrões de pensamentos montados com química hormonal de raiva, e/ou desejo sexual, e/ou inveja, e/ou diversão, são muito fortes e podem interferir no funcionamento normal dos códigos da pessoa destino, ou mesmo de uma pessoa que esteja em local de pensamentos padronizados por tipo de química hormonal gerada no coletivo.

Se houver em determinado lugar quantidade grande de pensamentos sendo gerados com padrões hormonais que traduzem diversão, e/ou sexo, e/ou ganância, ira, e/ou ambiente religioso/espiritual, com ambiente criado para pessoas terem “esperança” de tudo dar certo e todos os problemas serem resolvidos , e outras “emoções” (química hormonal comum gerada), as pessoas nesses ambientes verão normalmente a mesma química coletiva circulando em seus corpos, por “indução” de alta vibração das ondas eletromagnéticas ali circulando.

Se no lugar todos estão bebendo, os pensamentos das pessoas envolvem o padrão de onda que gera a sensação do que a bebida traz de prazer e assim ela irá produzir já mesmo antes de beber, a química hormonal que é produzida quando a pessoa bebe. Conhecemos esse fenômeno por “entrar na vibe” ou na “energia” do lugar, e pode acontecer mesmo que a pessoa não beba.

Agora, como alerta, para toda proposta ambiental de coletivamente se experimentar sensações de prazer (geração de química hormonal) coletiva, havendo “ruídos” nessas ondas emitidas pelas pessoas do coletivo gerador da proposta, estes estarão nas ondas que circulam e podem entrar na pessoa que experimenta o “prazer” e daí provocar “ressonâncias” internas, além de interferência no campo magnético para questões de susceptibilidade, podendo criar alterações tanto no emocional/mental como também no corpo físico.

O que chamamos de “prazer” ou sensações prazerosas que envolvam produção hormonal, “conectam” pessoas coletivamente à proposta feita e “aceita” pela pessoa, de forma a expô-la à troca de ruídos frequenciais com os participantes, que se agrava diante de alto paramagnetismo em que essa pessoa possa se encontrar, e ainda mais com seus campos magnéticos sem sincronicidade adequada e mesmo desalinhados.

E basta pensarmos num dado lugar que conhecemos ou vemos pela televisão ou internet, que você cria a conexão que fará circular as ondas de pensamentos que possam estar sendo geradas pela proposta do programa/artigo/post de Facebook, etc. Sendo, por exemplo, alguém que sofra de autossugestão (visto anteriormente), esta pessoa vai se “conectar” e sofrer os ataques do que possa estar acontecendo em qualquer parte pelas pessoas que geram suas químicas hormonais em função do mesmo evento. Por isso devemos evitar ver coisas ruins, seja em TV, revistas, jornais, redes sociais, etc.

Mas ainda não é só isso. Se qualquer pessoa construir pensamentos sobre alguém, esses pensamentos vão encontrar esse alguém e poderão alterar seu campo magnético mais sutil, os dos andares inferiores, e ali provocar interferências que podem gerar disfunções e/ou desequilíbrios emocionais.

Esse é o motivo de figuras públicas normalmente necessitarem de apoio psicológico e mesmo psiquiátrico, fazendo uso de barbitúricos. Sofrem de autossugestão e pela alta incidência de ondas de pensamentos dos que lhes assistem e/ou acompanham, se desequilibram. Sofrem ataques constantes sem nem perceberem.

Esta é uma das formas de vermos nascer causas primárias dos problemas de saúde que conhecemos. Há outras formas ainda. 

.

POR QUÊ NOSSO SISTEMA IMUNOLÓGICO NÃO DESTRÓI TODOS OS PARASITAS E OUTROS “INTRUSOS” TÓXICOS QUE ESTÃO EM NOSSO CORPO?

Ele tem capacidade para resolver bem mais problemas do que normalmente resolve. 

Vimos que alterações nos campos magnéticos e situações emocionalmente fortes que provocam altas descargas de hormônios, provocam a a formação de “cavalos de troia” frequenciais, onde ruídos de produtos químicos, parasitas, ondas nocivas ambientais se agrupam ao padrão bioquímico intenso gerado pelos hormônios e entram em área de alta vibração.

Esses “cavalos de troia frequenciais” se formam sempre quando exageramos no gerar químicas corporais. Se divertir demais e sexo são as mais fortes e conhecidas. Costuma-se pagar alto preço por ser viciado em “adrenalina”, por exemplo. Muito sexo com mais de um parceiro, idem. Muito “emotivo”, idem, e assim por diante. 

Cavalos de Troia trafegam pelos chakras e vão parar em área de alta vibração, lá se instalando. Passam então a integrar o conjunto de instruções que no sentido normal que o fluxo magnético duplo toroide visto com o Dr. Nassim orienta, chegam e se decodificam no que percebemos em nosso plano, vindo os ruídos que entraram indevidamente, a fazer parte das informações que chegam até esse nosso último andar (nosso corpo e universo).

Esses códigos parasitários intrusos então vão confundir nosso sistema nervoso (gerenciador de sistemas do corpo), que, pensando ser instruções do funcionamento normal do corpo, não sinaliza os elementos de mesmas frequências existentes no corpo, como sendo estes intrusos para que o sistema imune desempenhe suas funções de destruí-los e/ou retirá-los do corpo. Sem sinalização correta, não adianta nem estar com o sistema imune em ordem porque ele não saberá o que atacar.

Mas não é só isso o que ocorre. Os códigos frequenciais dos parasitas que “chegam” de nossa área de codificação de alta vibração, quando chegam, “vitalizam” os parasitas que existem em nosso corpo, onde nosso próprio sistema nervoso passa a “proteger” e mesmo “cuidar” para que haja apoio interno para a proliferação desses seres vivos, de forma aí então presenciarmos o surgimento de doenças que se desenvolvem rapidamente, levando até mesmo a morte rápida em alguns casos.

E, ainda mais incrível, é o que ao assistir uma aula no curso de metodologia quântica do Dr. Victor Mattos (conheça seu trabalho AQUI), ouvi do doutor que mesmo eliminando-se um determinado vírus por ressonância (conforme explicado no artigo Terapia Frequencial DB7 Energia AQUI), observando o processo por microscopia de campo escuro se constata em alguns casos o surgimento do vírus novamente, surgindo este ser vivo “do nada” literalmente.

À época isso me deixou impressionado, pois não entedia porque um ser vivo simplesmente “surgia” aqui em nosso plano, sem cumprir o normal “nascer” esperado.  A explicação está no código frequencial do vírus dentro de área de alta vibração da pessoa, que encontrou no próprio corpo dela todo o material necessário para fazer presente o agente patológico sem necessariamente este cumprir as vias normais de existência (entrar ali ou nacer ali, se alimentar, respirar/alimentar, crescer, etc).

E isso é perfeitamente possível, pelo que o pesquisador Salvatore De Salvo nos conta em sua pesquisa publicada no livro Transmutações Biológicas a Baixa Energia (veja resenha AQUI). Com os códigos frequenciais corretos (instruções), existem mecanismos físicos para se transmutar elementos químicos disponíveis em outros, de maneira a suprir necessidades que códigos frequenciais apresentem.   

Isso explica porque pessoas aparentemente saudáveis ficam gripadas, tem sinusites e outras doenças de origem parasitária, e até mesmo morrem prematuramente de alguma doença fulminante. O problema são os códigos dos parasitas estarem em área de códigos sistêmicos (formadores do nosso corpo), entrando ali pelas portas magnéticas chamadas “chakras” que encontram-se ora desalinhados/descalibrados/sem sincronismo com susceptibilidade paramagnética elevada, e depois “criando” problemas em seus corpos.

E a mesma coisa se dá para produtos químicos e tóxicos, para metais pesados e toda substância que faz mal à saúde humana. As frequências do que nos faz mal entra, se instala e passa a fazer como que parte da programação que passa a chegar ao último andar/corpo, deixando o sistema nervoso confuso para o que deva sinalizar para o sistema imune agir, ou ainda em alguns casos ver acontecer transmutações que criem mesmo o problema dentro do nosso corpo.

E isso explica também o por que muitas pessoas que tem ações preventivas para questões de ingestão de agentes tóxicos na sua alimentação, acabam também ficando doentes e muitas vezes até mesmo desenvolvendo doenças degenerativas. Não há como retirarmos os agentes nocivos do corpo com eficiência e permanentemente, sem contarmos com nosso sistema imunológico agindo continuamente com suas células específicas para esse fim, onde isso só poderá acontecer se não haver códigos frequenciais de agentes tóxicos dentro de nossa área de alta vibração.

Adotar procedimentos que envolvam ações de detoxificação somente no corpo físico, não vão resultar na eficiência necessária para fazer com que estejamos livres de doenças e quedas de performances que estes provocam.

.

ATACANDO AS VERDADEIRAS CAUSAS DAS DOENÇAS

Compreendendo a mudança de paradigma proposto, concluo respaldado pela teoria apresentada e pelas experiências até então observadas em consultório nesses últimos anos, que, para curarmos de forma definitiva qualquer doença devemos: agir para corrigir nosso campo magnético; eliminar os ruídos frequenciais existentes em nossa área de alta vibração; atuar se necessário na correção rápida de sintomas instalados no corpo físico, fazendo uso da medicina nutricional e pós genômica, em especial de “bio-informática”, com exames de biorressonância e decorrentes cronossuplementação/cronobiologias. 

Mapeamento de alterações frequenciais e de frequências intrusas, para definição de suplementação - nível último andar

Biorressonância: Mapeamento de alterações frequenciais e de frequências intrusas, para definição de suplementação nutracêutica

.

Cronobiologia de paciente DB7 Energia - sarcoma curado

Cronobiologia B de paciente DB7 Energia – sarcoma miofibroblástico grau 3 curado

Cumprida essas etapas, irregularidades que não estejam em conformidade com nossa programação original (porque sempre prevalecerá a vontade do Criador) poderão ser rapidamente resolvidas.

Não vamos com essa maneira de compreender nosso funcionamento conseguir eficiência que resulte em “vida eterna”, claro, pois cada um de nós temos códigos depreciativos próprios que vão provocando a deterioração do corpo físico. Mas podemos sim, otimizando nossos  campos magnéticos, ao torná-los uniformes e sincronizados com características o mais neutras possíveis para a susceptibilidade magnética, e eliminando uma boa parte dos ruídos frequenciais que nos invadem em função dos problemas de campo e exposição a agentes tóxicos e patológicos, poderemos ver nossos dias se prolongarem com satisfatória qualidade de vida, preservando nossas capacidades mentais.

Campo magnético ruim por si só já interfere nas informações sistêmicas que nos fazem existir em uníssono (mente e corpo), provocando doenças. Some ao problema de campo que a grande maioria das pessoas normalmente possui, os “ruídos frequenciais” que vão se acumulando ao longo da vida, e encontramos as causas de todas as mazelas que assolam a humanidade.

Voltando à tabela da figura anterior, vimos que autossugestão é um “ruído” que se instala dentro de nossa área de alta vibração e lá provoca uma série de problemas. Devemos entender que toda “emoção” que sentimos, ou característica de personalidade, ou qualquer “padrão” emocional, este é primeiramente codificado em uma onda eletromagnética para depois se verificar em nossa realidade. Assim, “autossugestão”, “culpa”, “mágoa”, “trauma”, “vícios” muitos outros sintomas e características obedecem a padrões de ondas eletromagnéticas que, sendo nocivas, podemos chamar de “ruídos”.

Como todo “ruído” ou onda eletromagnética, podemos eliminá-la com uma onda de mesmas características polarizada de forma inversa. Todo sintoma nocivo à mente e corpo humano tem característica paramagnética para o campo magnético da onda ruído. Se desejamos eliminar o ruído, é necessário que haja polarização diamagnética, além de outras características para a onda incidente.

Na tabela observamos algumas formas de ondas ruído e consequências de suas instalações em área de alta vibração de uma pessoa. Sua “entrada” ali pode se dar desde nossa concepção –> ruído por herança hereditária, ou entrar pelas nossas glândulas pineal ou hipófise, devido à problemas na região do chakra chamado coronário. Instalado esse ruído nessa área, o primeiro órgão do corpo a ser alterado pelo “ruído” são as meninges, membranas responsáveis principalmente por proteger o funcionamento do nosso cérebro.

Comprometida a proteção, vemos os sintomas elencados na coluna “–> Reflexos” podendo surgir a qualquer tempo. Não se trata, portanto, de doença com causa pontualizada na região física corporal, mas sim problemas resultantes de um ruído frequencial instalado em área de alta vibração que interfere numa importante parte do corpo, no caso as meninges.

A entrada do ruído se deu pela inversão de fluxo da pineal, glândula endócrina da área do chakra coronário. Esse ruído quando instalado, provoca interferências no funcionamento de duas glândulas: da própria pineal e também da hipófise, o que altera o equilíbrio e harmonia na produção praticamente de todos os hormônios do corpo. Os sintomas secundários podem aumentar em muito com o passar dos dias sob interferências provocadas por tal ruído (autossugestão).

Outro sintoma/ruído visto na tabela é o resultante de fortes sentimentos de “culpa” que possamos sentir quando em momentos de inversão de sentido de fluxo na região coronário. Entrando pela pineal, o efeito agora ocorre diretamente sobre o cérebro, e em decorrência os problemas descritos na coluna “reflexo” da tabela. Talvez o pior efeito desse ruído esteja no prejuízo da fluidez mental, que atrapalha o processo de comunicação.

Existem muitas pessoas que apresentam esse quadro clínico e não sabem que se trata de um ruído frequencial que entrou em sua área de alta vibração, provocado pelo sentimento de culpa por algo que lhe aconteceu. Passa a sua vida inteira colhendo terríveis consequências desse momento, onde na maioria das vezes nem se lembra mais do episódio em si. Mas o ruído entrou, se instalou e ali fica interferindo em sua vida.

Na tabela podemos concluir da mesma forma sobre os outros ruídos/sintomas mágoa, depressão e desejo exagerado por sexo. São “ruídos” que provocam problemas de saúde, conforme visto, entram em área de alta vibração por inversões de fluxo de campo momentâneas, onde a janela do nosso “HD vibracional” ou o nosso “firewall” deixa de nos proteger em área tão importante e sensível. A região da cabeça é normalmente a região por onde entram a maioria dos nossos ruídos, porque é nela que encontramos as duas naturais inversões de sentido de fluxo de campo. Vamos conhecê-las.

.

CORONÁRIO E FRONTAL: DUAS “JANELAS” PERIGOSAS QUE SE ABREM NATURALMENTE

Gânglios localizados no meio da cabeça, logo abaixo do cérebro. "Caixa" dos dois principais "rádios" da nossa alma: pineal e hipófise

Gânglios localizados no meio da cabeça, logo abaixo do cérebro. “Caixa” dos dois principais “rádios” da nossa alma: pineal e hipófise

Duas de nossas regiões de concentração de fluxo (ou “chakras”) são diretamente afetadas por eventos naturais que ocorrem em nossas vidas, provocando inversão momentânea de sentido de fluxo, levando ruídos frequenciais para dentro do nosso HD vibracional nesses momentos.

A janela mais comum que abrimos está na região chamada pelo hinduísmo e diversas filosofias de “coronário”. Por ela diariamente quando dormimos nosso sono reparador mais profundo, enviamos todas as experiências e aprendizados obtidos durante o dia armazenados em nosso sistema nervoso e células, para o nosso “HD vibracional” (andar/área de alta vibração). Esse gerenciamento é coordenado no corpo pela pineal.

Dormimos porque precisamos descarregar as informações coletadas no dia para nosso HD interno, área mais capacitada para gerenciar a quantidade absurda de dados que nosso sistema de memória e formulação de pensamentos necessitam para gozarmos de saúde mental, formulando pensamentos fluídos e inteligíveis dentro de contextos da realidade e com capacidade de nos proteger e nos suprir dentro das necessidades cotidianas. Esse HD vibracional pode ser compreendido como sendo alguns andares do nosso edifício existencial. 

Esses “andares” são os mais importantes, são os “cofres” do que temos de mais precioso, nossos verdadeiros tesouros. É fundamental preservarmos esses andares “limpos” de ruídos para que tenhamos as mais importantes capacidades existenciais preservadas. Nossa vida eterna (fora do tempoxespaço) ou não depende da organização e limpeza desses andares.

Qualquer sentimento nocivo e destrutivo gerados durante o sono profundo, como mágoas, culpas, ressentimentos, raivas, maledicências, etc, que possam circular em nossa mente durante o sono reparador profundo, estabelecem pela química hormonal gerada padrões de ondas mentais que adentrando nossa área de alta vibração vão lá dentro do nosso “cofre” causar interferências de várias formas, agindo como literais “vírus” em nosso HD vibracional.

Doenças emocionais, angústias, medos, mesmo o pânico, irritabilidade e tudo o que veremos logo abaixo, são resultados da existência de ruídos em áreas sensíveis de nossa existência. Por isso da necessidade de estarmos continuamente bem com pessoas e ambientes que nos cercam durante principalmente quando dormimos. 

Porque todos os dias ao dormirmos vamos “abrir” essa importante janela da nossa alma. Se acumularmos “rusgas”, raivas, mágoas, etc, ou estamos próximos à pessoas que se encontram desajustadas mentalmente assim, vamos nos sujeitar a padrões mentais de ondas/ruídos que vão entrar e nos prejudicar em nossas áreas mais sensíveis e importantes. Muito sério isso.

Temos também de considerar as frequências de todos os parasitas que possam estar principalmente na região da cabeça durante nossas noites de sono. Vírus, bactérias, fungos, vermes, mercúrio, alumínio, chumbo, produtos químicos, etc, tudo o que seja intruso e nocivo ao nosso funcionamento saudável está “pulsando” sua frequência nesses momentos de abertura de fluxo magnético para área sensível.

Com isso esses agentes tóxicos e patológicos passarão a integrar as instruções que chegam após o estabelecimento do sentido de “chegar informações” até esse nosso “plano/harmônica/andar” no acordarmos, e o sistema nervoso vai interpretar como sendo esses agentes patológicos como “normais”. E por isso vemos que pessoas apresentam problemas neurológicos por intoxicações por metais tóxicos, com surgimento de doenças degenerativas graves na área da cabeça, ou mesmo simples sinusites ou renites que persistem, porque estão sem poder contar com seu sistema imune para defendê-lo.

A região do coronário/pineal e do frontal/hipófise (hipotálamo em comum às duas áreas) são as mais sensíveis que temos.

Estão na região da cabeça onde se localiza a central de gerenciamento de todos os sistemas do corpo, responsável pela expressão da nossa fluidez mental e correto funcionar dos nossos sentidos.

Comprometimento dessa parte do corpo implica em desequilíbrio geral, e por isso nosso sono e estado de espírito em termos de sentimentos e relacionamentos sociais são tão importantes ser preservados.

Outra situação bastante comum que enfrentamos numa boa parte da vida são os momentos de intenso prazer. Altas descargas de adrenalina por esportes radicais e os orgasmos são os mais comuns exemplos. A cada orgasmo vemos ocorrer a abertura de fluxo magnético (estrada) para região de alta vibração. Da mesma forma que descrito para o coronário acima, vemos acontecer para a região da cabeça (chakra “frontal”) o “abrir a janela” para o nosso HD vibracional.

Parasitas, produtos químicos, metais tóxicos, tudo o que sejam frequências desses agentes patológicos existentes na região da cabeça vão a cada orgasmo entrar em nossa área de alta vibração, e poderão ali se instalar, ou, pior, provocar ressonâncias e assim gerar efetivamente disfunções sistêmicas graves.

Parceiras/os para essas práticas devem ser escolhidos a dedo, pois todo padrão de onda mental bem como os próprios agentes patológicos dela(e) estão ali próximos e “vibrando”, podendo ser transferidas suas frequências para nosso HD interno.

Também os ruídos internos já instalados na pessoa parceira/o, como traumas, mágoas, culpas, além dos agentes patológicos, poderão acompanhar a onda mental com forte carga emocional gerada nesse momento, potencializando a incidência sobre nós do “lixo frequencial” próximo, que entrarão em “nossa casa”.

É muito séria essa questão, e por isso a monogamia e fidelidade é de alta importância para a longevidade das pessoas, pregadas por várias religiões. Se desejamos viver mais, precisamos necessariamente termos um só parceiro(a) e cuidar os dois de suas relações sociais e emoções, procurando viver ambos em harmônia e serenidade frente a vida, com suas consciências sempre alinhadas pela congruência entre suas práticas e seus pensamentos. 

Por que não sendo dessa forma, aumenta-se enormemente o risco e exposição à ruídos que mais cedo ou mais tarde vão se expressar e provocar desajustes e/ou ressonâncias internos, trazendo desequilíbrios, doenças e mesmo a morte como consequência.

.

PRINCIPAIS RUÍDOS SINTOMÁTICOS

Os sintomas que vemos surgir em função dos ruídos frequenciais que vamos adquirindo, também em função de problemas de campo magnético, são os seguintes, para a parte mental/emocional do ser humano: dificuldade de entendimento, perda de memória, dificuldade de concentração, dificuldade de cognição, falta de criatividade, desânimo, mudanças de humor, inflexibilidade, indecisão, confusão, angústia, ansiedade, aflição, agonia, medo, pânico, falta de alegria, falta de esperança, problemas nervosos/emocionais, pessimismo.

E para o corpo físico são: dor de cabeça, tontura, insônia, cansaço ao acordar, tontura ao acordar, congestão nasal, peito congestionado, dificuldade para respirar, resfriados, peso excessivo, retenção de líquidos, abaixo do peso, ardor ao urinar, urina pouco frequente, incontinência urinária, síndrome pré-menstrual, cólica menstrual, secura vaginal, perda de libido, impotência sexual, falta de orgasmo, queda de cabelo, sono superficial, candidíase, desejo de fumar, desejo por bebidas alcoólicas, por remédios, por diversão, por exercícios, hiperatividade, náusea, diarreias, vômitos, constipação, cólicas intestinais, problemas com a fala, etc.

Dentro da intensidade que cada pessoa apresenta em cada um destes sintomas, vemos o grau de ruídos internos existente e o risco desta adquirir distúrbios emocionais e doenças mais sérios.

Cada sintoma em sua intensidade se dá em função de vários fatores, como a existência de frequências parasitárias, químicas tóxicas e de origem emocional (culpa, trauma, mágoa, etc) que, ao ressonarem internamente, provocam os sintomas descritos resultando nas doenças que cada pessoa apresenta ou apresentou em sua vida.

Para controlarmos nossa saúde devemos necessariamente controlarmos esses importantes pontuadores de doenças mais graves. Estando todos os sintomas com intensidade baixa, podemos dizer que gozamos de boa saúde mental e física.

.

RESUMINDO

Energia é fenômeno físico poderoso, e é definitivamente o modus operandi divino para fazer acontecer Sua criação. Conhecemos nesse trabalho uma síntese do que seja energia e suas componentes, “campo magnético” e “vibração”.

Conhecemos a geometria de ondas que compõe buracos negros, com a explicação do surgimento de cada átomo pela teoria apresentada pelo astrofísico Dr. Nassim Haramein.

Conhecemos as importantes características de campos magnéticos, suas polaridades no universo e intra-planos (“andares”), e sua intensidade para a susceptibilidade magnética, variável extremamente importante para a fluidez perfeita dos códigos da nossa existência. Nossa saúde mental/física dependem dela.

Conhecemos a existência do fenômeno das harmônicas, as quais compõem os andares de nossa existência, obedecendo cada edifício/pessoa à geometria de onda própria, com códigos próprios. Vimos que nossos andares se contaminam com frequências intrusas e ali essa “sujeira” interfere em nosso bem funcionar.

Conhecemos ressonância eletromagnética e o efeito nocivo que este fenômeno pode resultar em área de alta vibração. Aprendemos com ela a origem do câncer e de todas as doenças degenerativas.

Conhecemos a incrível função de transdução/decodificação realizada por cada parte do nosso corpo que produz hormônios, principalmente as glândulas endócrinas, nossos “rádios” no transformar nossos códigos existenciais de alta vibração na bioquímica hormonal que expressa o “som” dos nossos sentimentos e emoções/sensações.

Conhecemos nossas principais regiões de concentração de fluxos de campos magnéticos (chakras), onde se formam as grandes auto-estradas magnéticas em que circulam informações. Por elas nos chega contaminação, mas também por elas vemos o caminho para realizarmos a limpeza da sujeira que nos invade, eliminarmos os ruídos frequenciais dos agentes nocivos que dão origem às doenças da mente e do corpo.

Conhecemos assim o que confunde nosso sistema nervoso e descalibra nosso sistema imunológico.

Da compreensão de todo esse mecanismo, vislumbramos o caminho para nos vermos curados. Nos permitirmos andar por ele poderemos enfim preservar nosso maior patrimônio, nossa mente, até o último dia de funcionamento do nosso corpo bioquímico.

..

CONCLUSÃO  

Queridos visitantes, foi um “passeio” por caminhos não tão fáceis de serem trilhados, compreendo. Me esforcei em ser didático e trazer o essencial para que uma mente decidida em compreender sua existência, pudesse encontrar por onde seguir suas pesquisas e assim encontrar Saúde e Sabedoria.

Entendo que a lógica e razoabilidade estejam presentes na teoria apresentada. Você agora tem condições de aceitar que energia não deve ser vista na área da saúde como sendo algo “místico”, “exotérico” ou “religioso”, pelo que observamos de religiosidade em nosso mundo. Seria um erro.

Entendo que a grande maioria dos profissionais da área de saúde que fazem uso da palavra “energia”, “vibração”, “frequência” e outras, não sabem exatamente o que estejam falando ou pensando. Vejo como  temeroso o fato que estes não estudaram o fenômeno físico que dizem manusear, lastreando suas teorias em crenças e experiências não controladas quanto ao que possa estar acontecendo com seus pacientes em todas as suas partes.

Não pode haver “preço” por se pagar ao submeter-nos a qualquer tipo de tratamento ou terapia que façam uso de energias, pois o risco de termos problemas é alto em nossos dias. Não por desejo das pessoas que ministram terapias e técnicas de manipulações de energia, mas por estes não terem de fato conhecimentos profundos sobre o que fazem.

Porque nossas capacidades de lidar com ruídos/distorções de campo paramagnético são limitadas, e devemos ser prudentes no escolher o que possa nos ajudar a “melhorar”, sejam melhoras de sintomas emocionais, de sintomas físicos ou apenas prevenção e busca de bem estar.

Não basta uma conversa agradável ou uma “estória” bonita que faça sentido, aliada à boa vontade do autor. É necessário que haja ciência, lógica, coesão, e principalmente respaldo experimental com critérios de medição de resultados dando suporte.

Não adianta curarmos uma dor nas costas numa sessão de terapia/massagem energética “X”, e, sem percebermos, saímos de lá com aumento de autossugestão, e/ou compulsividade e/ou irritabilidade, etc, em decorrência do aumento da condição paramagnética e ruídos transferidos pelo “terapeuta” na sessão de massagem ou energização.

Mesmo com profissionais bem intencionados, vemos acontecer aumentos importantes em alguns sintomas até então não analisados ou percebidos pelo paciente, podendo com o tempo trazer problemas sérios. “Ruídos” perigosos podem estar sendo transferidos. Uma analogia cabível é que sempre que interagimos com alguém onde há contato físico junto a relação emocional por alguns minutos ao menos, é como se se estivéssemos numa podóloga que faz uso de equipamentos que não foram esterilizados por autoclave. O problema pode mesmo ser transferido ao cliente sem necessariamente o aval/conhecimento da podóloga. Aqui esterilização = limpeza frequencial + ajuste de campo. 

Não basta a proposta “parecer ser boa”. Tem de investigar os critérios de medição e toda a teoria que embasa a terapia proposta. Se alguém não sabe exatamente o que faz, e sai fazendo apenas porque “acredita” no que foi-lhe transferido em alguns cursos de 10, 20, ou mesmo 100 horas, existe risco alto de contaminação.

O fato de em dada sessão ser ativada alguma produção de hormônios que dão a sensação de “prazer” ou “bem estar”, não implica naquilo que aconteceu ter sido de fato bom para a pessoa. Forte carga magnética de característica paramagnética também ativam produção de hormônios que provocam esse tipo de “sensação”, mas causam enormes danos à pessoa, cujos resultados maléficos aparecerão em futuro próximo, muitas vezes de forma sutil. 

Física moderna e seus fenômenos, bem como todo o princípio de funcionamento corporal e mental dos seres humanos obedecem à regras de funcionamento que independem de achismos, de certas “sensações” ou de “boa vontade”, e precisam de seriedade maior ainda do que o encontrado na ortodoxia médica. 

Ou é ou não é, e se é, por que é? Assim entendo ser razoável pensar e ponderar respostas antes de qualquer atitude sobre temas relacionados a nossa saúde.

Exemplificando, como engenheiro sei a importância que, dentro de uma subestação de potência de energia elétrica (aquelas onde tem transformadores enormes e outros equipamentos e chegam torres de transmissão), se eu não souber onde por minha mão, um erro pode arrebentar de vez comigo. Tenho de saber o que acontece a minha volta para saber me proteger.

Então penso muito bem e recomendo que vocês façam da mesma forma, porque estamos todos dentro de um ambiente eletromagnético que se não soubermos como agir no meio dele, temos um alto risco de colher terríveis efeitos sobre nossa saúde mental e física.

E vale o conselho inclusive para pastores, padres, e religiosos que sugerem algum tipo de tratamento que envolva imposição de mãos, ou uso de objetos junto ao corpo, ou outras coisas que coloquem carga emocional de pensamentos de terceiros sobre objetos. Todas essas coisas normalmente apresentam um preço ao “fiel”, pelo aumentar a intensidade de sintomas indesejáveis sem que eles percebam ao certo, mesmo melhorando num ou noutro sintoma.

Energia é algo nobre, extremamente nobre, complexa, vital para nossa existência, mas também é perigosa. Somos seres vivos com matéria prima única e esta é a energia, sendo o cuidado com ela um dos mais importantes que devemos sempre ter em mente. 

Conheça a Terapia Frequencial DB7 Energia AQUI. Uma nova maneira de cuidar da saúde, que em breve irritará muitas pessoas. 

Parece que Tesla não irritou somente os petroleiros. Seu emissor de frequências irritará muitos outros

Parece que Tesla não irrita somente os “petroleiros”. A tecnologia do seu emissor de frequências ainda irritará muitos outros

A Terapia DB7 Energia só tem feito o bem para seus pacientes, em todos os seus sintomas, verificado por medição (conheça a Auto-avaliação DB7 Energia AQUI) que pode ser vista em alguns testemunhos e casos clínicos encontrados AQUI

Você também pode assistir as explicações em vídeo encontradas AQUI.

Compartilhe e se escreva para receber os próximos artigos.

%d bloggers like this: